Brasindoor

LEGIONELLA. POR QUE IGNORAMOS ESSE GRAVE RISCO

 

Essa semana estamos assistindo, via internet, o maior surto de Legionella da história de Portugal. Na pequena região de Vila Franca de Xira, 7 mortes por pneumonia e cerca de 273 contaminados com a bactéria até o dia de hoje, 12/11/2014, segundo dados oficiais do Ministério da Saúde do país. A maior incidência é de pessoas entre 50 e 60 anos.

 

 noticia

 

A provável fonte de origem da contaminação das pessoas é o sistema com torre de resfriamento de água no complexo fabril de Alverca. Foi identificada a presença da bactéria nesse local, porém ainda não se sabe a espécie e quantidade. Outras fontes de contaminação da região também não foram descartadas pelas autoridades. Segundo o ministro do Ambiente, pode haver indícios de crime ambiental e já foi ordenada uma inspeção. Se for confirmada a suspeita, a pena pode ir até oito anos de prisão e/ou multa de €2,5 milhões.

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/fabrica-da-adubos-de-portugal-sera-foco-de-legionella-e-empresa-vai-ser-investigada-1675869

Informações como essas tem se repetido a anos, com inúmeros casos em todo o mundo. E no Brasil, como estamos? Por que quase não se fala nesse risco a saúde da população?

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/hoteis-hospitais-e-feiras--a-legionella-no-mundo-1675814

 

 noticia

 

Quando se fala em Legionella no Brasil, logo vem à cabeça de muitos o caso do falecido Ministro Sérgio Motta, que teria contraído essa bactéria e vindo a óbito por pneumonia. Na época, o governo e a mídia relacionaram essa morte a sistemas de ar condicionado sem manutenção e publicou a Portaria 3.523 de 28/08/1998 que regulamenta o assunto no país.

Muito se evoluiu desde a publicação dessa portaria com novas leis, resoluções, decretos e normas técnicas visando a melhoria de sistemas de ar condicionado e consequentemente a qualidade do ar interno que as pessoas respiram grande parte do dia.

Ocorre que a Legionella não está ligada apenas a sistemas de ar condicionado e sim qualquer sistema de água, sendo que o risco ao ser humano aumenta quando a água é transmitida pelo ar, na forma de partículas. O chamado aerossol ou nuvem de água.

Isso ocorre em fontes decorativas, em umidificadores, chuveiros, máquinas de lava-jato, nebulizadores de ar, ventiladores com aspersão de água, torres de resfriamento e diversos outros casos que permeiam o dia a dia da sociedade moderna.

A bactéria Legionella pode estar presente em qualquer tipo de água, transformando em risco a população quando respirada, ou seja, quando entra no sistema respiratório, podendo causar pneumonia ou febre Pontiac. As pessoas idosas e pessoas com problemas respiratórios estão entre o maior grupo de risco.

Segundo informações da Vigilância Municipal de São Paulo estima-se mais de 5.000 mortes no Brasil no ano de 2013. Dados esses obtidos através de percentual estatístico relacionados a causas de internações por pneumonia no SUS. Para se ter uma ideia da dimensão desse número, no ano passado houveram 387 mortes por dengue, 4.600 por tuberculose e 41 de malária. Acontece que as 3 doenças relacionadas no parágrafo anterior são de conhecimento público da sociedade brasileira e possuem site e informações na página do Ministério da Saúde. Por que o mesmo não ocorre em relação a Legionelose? Se você colocar no link de busca do site do Ministério da Saúde, www.saude.gov.br, as palavras Legionella ou Legionelose, o resultado é igual a ZERO.

Análises de amostras de água de todo o Brasil, realizada por laboratório acreditado pelo INMETRO, mostram um percentual de 15% de resultados positivos para a bactéria Legionella. Similar a dados internacionais.

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/quase-15-das-torres-de-refrigeracao-analisadas-em-estudo-tinham-legionella-1675942

 

Portanto, afirmar que essa bactéria não existe no Brasil é uma falta total de conhecimento do assunto. A comunidade técnica especializada brasileira já discute esse assunto a anos no país. Recentemente um livro gratuito sobre o tema foi escrito por diversos autores especialistas e publicado na internet como forma de divulgação e informação a sociedade. http://legionellaespecialistas.com.br/

Enquanto isso, as pessoas continuam a utilizar a água em fontes decorativas, com ventiladores, em spray nos parques das cidades, nos umidificadores nas casas sem saber do problema existente. As evidencias dos riscos a população, informações de formas de prevenção e dados estatísticos não faltam no nosso país.

A população brasileira corre um sério risco pela falta de divulgação na grande mídia e por falta de interesse do Ministério da Saúde em abordar seriamente o assunto. Custos de internação, custas médicas, absenteísmo em escolas e trabalho poderiam ser reduzidos se a informação e prevenção chegasse a nossa sociedade.

 

SOBRE O AUTOR:

Eng. Leonardo Cozac

Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho formado pela Universidade Paulista; Membro do Grupo Setorial de Qualidade do Ar Interno, em 97/98; Autor do livro Legionella na Visão de Especialistas; Participante do Green Building Council – Divisão Qualidade do Ar de Interiores; Presidente do Qualindoor – Departamento Nacional de Qualidade do Ar de Interiores da ABRAVA – Gestão 2008-2010 e 2013-2015; Consultor Certificado de Qualidade do Ar de Interior pela ACAC – American Council for Accredited Certification; Diretor na Conforlab Engenharia Ambiental. www.conforlab.com.br